segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Isto não é um adeus



Eu gostaria de dizer que pensei muito sobre as coisas que estou prestes a dizer nesse post, e que ele significa muito para mim neste momento da vida que estou vivendo agora. Quer dizer muito sobre mim e sobre tudo o que aconteceu comigo durante o processo e a pós-produção de Vidas Imperfeitas. Isso me levou quase quatro anos. Foi o tempo de começar e terminar meu curso da faculdade. O Vidas foi meu TCC. Tudo o que eu tinha pra falar sobre ele já foi dito) mas parece que sempre encontro mais coisas pra dizer). Mesmo depois de dois anos após desenhar a última página, editar o último capítulo, tudo isso continha vivo dentro de mim, como se nunca fosse encontrar um final verdadeiro. Mas o Vidas acabou, e apesar de eu ainda trabalhar nas side-stories como prometido, eu preciso SUPERAR. É difícil largar mão. Mas o que precisa ser feito precisa ser feito, para dar espaço a novas coisas, novos momentos, novos projetos. Eu não tenho palavras pra explicar como tudo isso foi importante pra mim. Mas ao mesmo tempo, eu não consigo escrever histórias sem colocar tudo de mim alí, dar todas as moedas, por isso, para que novos projetos venham, eu preciso de mais espaço no meu coração, pra que eu possa dar tanto de mim as minhas próximas histórias quanto eu fiz com o Vidas. Isso não quer dizer que irei simplesmente esquecer. Não. Tudo que vivi, senti e aprendi durante todo esse processo me marcou profundamente e é impossível que eu seja a mesma pessoa de antes de tudo isso acontecer. O Vidas me mudou. E é por isso que preciso ir em frente, porque foi exatamente isso que ele me ensinou: que a vida tem ciclos, e que cada ciclo termina para que outros possam começar.

Não importa pra onde eu vá, eu sei que estes personagens e este universo continuará vivo dentro de mim e das pessoas que tocaram. Essa é a beleza de contar histórias, de poder vê-las se perpetuarem além do tempo e do espaço, mesmo depois que seus autores já se foram. Apesar de ter tentado tantas vezes "dizer adeus", eu nunca consegui de verdade. Ainda existia algo em mim que me prendia a tudo isso, e nunca entendi de fato o que era. Mas tanta coisa aconteceu nesse ano que pude compreender um pouco melhor. Eu falei aqui sobre a minha vontade (e necessidade) de amadurecer, e acho que foi isso. Eu preciso de alguns símbolos deste meu amadurecimento.

Eu adoro ter um blog. Continuei a atualizar este porque me parecia simples e fácil. Agora acho que já não faz muito sentido, assim como não fazia mais sentido manter algumas páginas e redes das quais não usava mais ou não tinham mais serventia. Apaguei Deviantart, Flicker, Tumblr. Deu uma dor no coração, me lembrei das memórias de tudo aquilo. Dos tempos de adolescência, das descobertas e dos amigos que fiz em cada um destes lugares. Mas eu preciso ir em frente, e por alguma razão manter aquelas páginas significava me manter num passado que não existe mais, cheio de reminiscências da pessoa que já não sou.

Calma, este blog ainda vou manter. Querendo ou não, é um canal onde as pessoas podem encontrar informações sobre o Vidas Imperfeitas, baixar as edições e ler os posts. Só não irei atualizar como antes. No máximo, irei fazer postagens com atualizações ou novidades restritamente relacionadas ao Vidas, bem como à side-story que estou me esforçando em produzir para lançar no começo do ano que vem.

Isto não é um adeus. Você poderá não me encontrar mais aqui como antes, mas esse lugar tem uma luz que se mantém acesa, independente de mim. Isso é especial, sabe. Por isso o blog ficará aqui enquanto continuar sendo útil. Eu só queria mesmo um lugar, um blog em que tivesse mais liberdade, e por aqui me sinto meio limitada ao Vidas ou a temática de artes/quadrinhos...

No post anterior, listei os principais projetos nos quais irei me dedicar a partir do ano que vem. É bastante coisa, por isso precisarei de muito foco. Mas você sabe que pode me encontrar em vários lugares, que estou sempre aberta pra bater-papo e responder perguntas. Lá no Facebook, no Instagram, no Youtube... Falando nisso, meu canal está crescendo bastante, o que tem sido bem bacana. Toda semana tem vídeo novo, por isso, se você ainda não se inscreveu, CORRE LÁ.

No Tumblr, comecei um novo projeto chamado Lovers. A ideia é postar desenhos relacionados a romance, casais, sensualidade, etc. E futuramente também colocar o projeto no catarse como Artbook. Vamos ver se dá certo. Ainda por lá, decidi começar um novo Blog, onde terei mais liberdade para falar sobre minha vida, meus anseios, meus novos projetos, enfim, pra falar sobre tudo com mais liberdade. Quem sabe até contar algumas histórias, vamos ver.

Acabei de comprar o dominio marycagnin.com, mas também não sei o que fazer com ele. Talvez vire portfolio, ou apenas um canal reunindo todas as informações sobre mim e meus trabalhos. Como podem ver, ainda estou me organizando, sabe. Nesse mundo digital temos tantas opções e redes sociais que tem sido complicado me manter ativa em todas, por isso estou fazendo escolhas e vendo se funciona ou não.

Por fim, gostaria de agradecer a todos que me acompanharam, que me ouviram, me ajudaram, me incentivaram, me inspiraram, me encheram de carinho com suas palavras, e também me encheram de motivação com suas críticas. Nem tudo são rosas, mas agora, neste momento, me lembro de tudo que foi bom, e toda a bagagem que carrego me dá orgulho.

Pra terminar, vou me parafrasear numa das páginas do Vidas, porque sei lá, veio bem a calhar:


"Afinal, este é o fim de uma fase, de um ciclo (...) mas está longe de ser um final"


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Canais que sigo no youtube

Já devo ter comentado por aqui sobre meu vício pelo youtube. Eu passo hooooras assistindo vídeos de temas diversos. O mais legal é que alguns canais são voltados a curiosidades/ciência, ou seja: também é uma boa forma de obter conhecimento (aloka dos documentários)!

Os canais a seguir são os que mais acompanho e decidi separar pelo tema de relevância.


BELEZA

PetiscoTV (com Julia Petit)

O Canal da Julia é simplesmente incrível! Foi com ela que assisti os primeiros tutoriais de beleza, maquiagem e cabelo da internetz. Antes disso, eu era bem leiga no assunto e só conhecia o básico lápis-de-olho-e-rímel. Ela tem jeitinho bastante simpático e faz tutoriais voltado pra "mulher do dia-a-dia", ou seja: ela ensina a fazer maquiagem bem acessível e natural tanto pro dia quanto pra noite, sem ficar com aquela cara de reboco. Quer aprender a "fazer côncavo" e fazer o delineado perfeito (lol)?! Aqui é sucesso!




BLOG/COMPORTAMENTO

Just Lia (com Lia Camargo)

Eu já acompanhava o blog da Just Lia quando descobri o canal do youtube. Pra mim ela é a blogueira mais relevante da atualidade. Ela fala de vários assuntos (beleza, moda, comportamento) de uma forma bem próxima da gente, sabe? Acho que a sua personalidade e jeito modesto é o que faz essa identificação rolar. Ela não liga muito pra artigos mega luxuosos e não faz o estilo "vivo pelo galmour", e mostra que não é preciso de muito pra ficar a cara da ryqueza. Eu gosto de assistir os vlogs porque ela fala sobre seu trabalho, suas influências, faz tags divertidas e mostra um pouco do seu dia-a-dia.




COZINHA

I could kill for dessert (com Dani Noce)

Esse canal é pra morrer de lombriga, sério. Eu adoro cozinhar mas sou péssima fazendo doces... assim sendo, gosto de assistir os vídeos porque é simplesmente incrível como receitas lindas e maravilhosas (e deliciosas!) podem ser feitas assim tão facilmente. Sem contar que o cenário dos vídeos é de encher os olhos, e os vídeos tem uma produção, assim, impecável!! (mamaim, quando crescer, quero ser que nem eles!). Ah, o canal tem vários "blocos" diferentes, inclusive um com o namorido da Dani, o "Bigode na cozinha" que eu MORRO DE RIR assistindo. Eles são muito fofos e engraçados juntos. E o Bigode não sabe direito o que está fazendo nas receitas, por isso rola essa identificação, haha.




ARTE


Gente, para tudo. Ver essa garota pintar me dá uma depressão. Tipo: será que algum dia chegarei nesse nível?! Enfim, toda vez que quero sentir uma parte de mim morrer, ou simplesmente ficar muito inspirada pra aquarelar, eu assisto um vídeo dela com seus speedpaintings. Maravilindo. Vale a pena conferir!




CONHECIMENTO


O canal do Nerdologia tem respostas bem objetivas pra aquelas perguntas do nosso dia-a-dia, coisas das quais não temos muita certeza e cujas respostas sempre acrescentam os nossos conhecimentos. Ele falam sobre temas bem diversos e abrangentes, e mesmo quando uma questão parte de um "game", por exemplo, dá pra notar uma aplicação com a nossa realidade. Vale a pena acompanhar, sendo nerd ou não!



HUMOR


Ok, falar desse canal é redundância, porque duvido que algum de vocês NUNCA tenha assistido um vídeo deles! Mas eu percebi que fora o Porta e o Parafernália, não acompanho nenhum canal de humor que seja nacional. A maioria é estrangeiro mesmo. Aliás, se vocês tiverem boas indicações. deixem nos comentários, tá? Então voltando ao Porta, eu andava bem bolada com os últimos vídeos deles porque parece que toda a genialidade acabou e agora eles estão lançando as rebarbas das ideias que eram boas. Resultado: vídeos bem sem graça ou repetitivos. O que salvou mesmo foi essa série nova "Refém" que me fez chorar de rir, e to esperando ansiosamente pelo desfecho. Assistam. Sério.





Bom pessoal, como disse, estes são apenas alguns dos ínfimos canais que acompanho. Se quiserem mais dicas de canais como estes, até mesmo de algum tema não colocado aqui, me avisem! Me ative aos canais brasileiros, mas quem sabe não preparo outro post desse com os canais estrangeiros! Rs...

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Lojinha no enjoei.com.br



É O SEGUINTCHEE

Virei minha casa de ponta cabeça numa tentativa maluca de praticar o desapego e arrecadar uma grana de final de ano, pra ser feliz e botar pra frente meus projetos do ano que vem. Fiz tudo isso criando uma lojinha nesse site todo querido: o Enjoei.

Sério, depois que descobri esse site, minha vida mudou. Você acha TUDO lá, com preços bem acessíveis, e a maioria em bom estado (alguns até nunca usados... sabe aquele presente que você ganhou mas nunca usou? pois é) além disso a compra é bem segura e eficiente.

Mas é impressionante mesmo a quantidade de coisa que achei e decidi botar a venda. No primeiro momento eu pensei "ah, nem tenho tanta coisa assim", mas vasculhando nas profundezas do meu guarda-roupa eu achei aquelas peças que não uso há muito tempo ou nunca usei, e só ficava lá ocupando espaço no armário e na minha vida. E aí foi batata. Comecei a lembrar de cada vez mais coisas que eu só guardava (sei lá pra que) mas que não me interessava mais, incluindo roupas, sapatos, livros, bugigangas... enfim. Mutchas coisitas.

E ALÉM DISSO, decidi colocar a venda também a coleção completa e autografada de Vidas Imperfeitas. Isso mesmo. Mesmo o site ficando com 20% da venda, achei que valeria a pena pelas facilidades. Vou testar pra ver se rola =D Por isso, pelo menos por enquanto, estou fazendo as vendas por lá.

Pra comprar essas lindezas, é só clicar na imagem abaixo:



CURTIU ESSA IDEIA? ENTÃO BORA VISITAR A LOJINHA DA MARY.


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Meus projetos!

Eu sou assim, viciada em começar novos projetos. Minha cabeça sempre anda cheia de ideias, e a maioria delas nem chega a se concretizar. Meu problema mesmo é não ter forças nem motivação pra levar um projeto até o fim. Quem me acompanha já sabe disso, mas o Vidas foi meu primeiro grande projeto concluído, e às vezes me dá um medinho de que eu não vá conseguir concluir mais nada. E não estou falando apenas de quadrinhos, não. O problema de fazer HQ é que demanda muito tempo, e você fica no mínimo uns 3 meses em cada projeto. Isso se a inspiração estiver a mil. Eu aproveito que o universo do Vidas ainda está vivo, está todo alí pronto, e ainda escrevo/desenho sobre ele. Porque tá fácil, tá na mão: é só fazer. Esse ano começou acelerado, e não tive tempo pra NADA. Mas mesmo depois que virei freela, não consegui mais ajeitar meu tempo nem minha cabeça pra botar pra frente um projeto totalmente novo. A única coisa que ando fazendo mesmo é aquela side-story da Suzana.

Eu acho que esse final de ano merece uma boa organizada na vida, na mente e nos meus objetivos, pra já começar o ano que vem focada no que precisa ser feito. E cara, isso é importante. Acho que a minha ressaca pós-Vidas foi bastante longa, e tá na hora de voltar a colocar a mão na massa de verdade e a publicar histórias novas. Eu sei que fiquei enrolando uma vida toda pra dizer isso, mas: novas histórias virão!

E então, que este post sirva de guia até para mim mesma, com ideias e prioridades pro ano que vem:


1. SIDE-STORIES DO VIDAS



Bom, basicamente o que estou planejando para o começo do ano que vem é lançar com a HQM um compilado de side-stories de Vidas Imperfeitas. A side da Suzana tá quase no fim, e estou pensando em lançar também "Norah" (dá pra ler no menu Download) e preparar mais uma ou duas histórias curtas pra fechar uma edição. Isso me dá pouco tempo pra produzir... mas mesmo que não saia no começo do ano (o que espero que aconteça) fica pros próximos lançamentos. Quero fazer isso acontecer.



2. HQ ESPACIAL



Confesso: Interstellar bugou meu cérebro. É foda quando você passa tanto tempo construindo um universo, criando personagens e histórias para eles, fazendo pesquisa, procurando referência, e então BAM, tudo que você achava que sabia sobre sci-fi espacial muda na sua cabeça de repente. Eu acho que estava focando nas coisas erradas... talvez eu estivesse com medo de apostar no que eu acho mais interessante sobre o mundo no geral: as emoções humanas. Eu preciso pensar num plot bacana e numa forma inteligente de conta-lo dentro do universo que já criei como pano de fundo. Apesar de estar totalmente bugada pra pensar nessa HQ, quem sabe o tempo não me dê uma resposta.



3. ARTBOOK "LOVERS"

(estudo de capa, mas curti pacas!)


Esse ano vi uma infinidade de artbooks FODAS de artistas que nem conhecia e fiquei com muita vontade de fazer um artbook com minhas artes. Como tema, decidi que seria sobre "lovers", que se pensar bem é um tema bem abrangente, e conversa com temas muito presentes em praticamente tudo que eu faço, que é: sensualidade, romance, cumplicidade, casais se pegando (hehe), nudez, etc. A ideia é que seja só de material produzido em sketchbook, mas a parte chata é que não tenho muito material recente de caderno de desenho. Por isso, decidi começar um novo sketchbook pra já ir produzindo artes dentro dessa tema. YAY! (ps. se der tudo certo, a ideia é colocar pra financiamento no Catarse!)



4. Série "Filmes Preferidos"



Comecei há pouco tempo uma série de ilustrações de posters dos meus filmes preferidos. Não defini um estilo pra eles ainda, e talvez eu devesse fazer isso, haha. Eu acho a ideia bacana e inclusive posso dar um jeito de monetizar os posters e arrecadar uma grana extra. Vamos ver como isso se desenrola.



5. CANAL DO YOUTUBE



Eu peguei gosto por gravar vídeos, seja de tutorial, seja vlog, então vou postando semanalmente sempre que possível. Pra ser sincera, acho o youtube mais interessante que as outras redes sociais, e está crescendo aos pouquinhos. Espero que com os vídeos eu me torne mais independente da divulgação em facebook que tem enchido um pouco o saco... enfim. Talvez a ideia aqui é lembrar de continuar produzindo conteúdo interessante pra vocês! xD

Aliás, já se inscreveu no canal?! Se não, clica AQUI.


Bom gente, acho que é isso aí. Parece pouca coisa, mas isso vai me manter bastante ocupada pelos próximos meses. Fora isso, tem todo o meu trabalho como ilustradora, é claro (afinal, artista também tem que comer e pegar conta) mas eu sou assim mesmo: uma coisa de cada vez, tudo ao mesmo tempo!

Evento na Gibiteria + mini resenha de Zero Point

Estava devendo já uns posts aqui mas decidi começar pelo evento da HQM lá na Gibiteria que aconteceu nesse sábado. O lançamento era da nova HQ da editora, "ZERO POINT", do Agustin Nakamura. Ele fez uma apresentação do quadrinho dele, com direito a referências e passo a passo de páginas. Fiquei bastante impressionada. Ele me pareceu o tipo de autor que tem muito esmero (e paciência!) pra produzir, algo em que eu particularmente peco bastante =((


A arte é impressionante e o roteiro é redondo, com direito a reviravoltas, muita ação e um final surpreendente. Realmente não tem do que falar mal. Os enquadramentos dão muita vida e dinamismo pra história, o que é importante pra não deixar uma sequência desinteressante, principalmente quando tem muita ação. Tem uma cena em primeira pessoa que é apenas ANIMAL. Eu me surpreendi positivamente porque não sou uma consumidora assídua de histórias de ação e são raras as que gosto realmente, e acho que essa daria certo em várias mídias, até no cinema, mas foi muito bem executada como quadrinho... dá até raiva! Haha.

(esse é o Agustin e do lado dele.. eu! dã...)

O Agustin é argentino radicado no Brasil, mora aqui há cerca de dois anos. Ele lançou o Zero Point lá na Argentina também, ou seja: sucesso absoluto! Hehe. Trabalhou durante muito tempo com animação e cinema, e diz ele que ficou dez anos sem desenhar nada. Segundo ele, este foi seu primeiro quadrinho longo (com cerca de 200 páginas) que ele produziu por uma "dívida pessoal" por ter ficado tanto tempo sem fazer quadrinhos, que era algo que gostava muito.


O evento na Gibiteria foi muito bacana, gostei bastante, principalmente por ser um ambiente fechado. Fiquei sabendo também que durante a semana rola uma programação bacana voltada pra quadrinho. Lá também dá pra vender/comprar artes dos autores, como posters e material independente. Acho que vou preparar uns posters pra deixar lá também! =B


E quem disse que não teria Vidas também? O mais legal que quem comprou lá, já levou sua edição autografada =D


Pra terminar, mas não menos importante, fiquei sabendo que tem bastante material pra ser lançado entre esse final de ano e o começo do ano que vem, então conversando com meu editor, pensei que seria uma boa ideia fazer uma edição especial com as side-stories do Vidas, inclusive aquela da Suzana que está em produção (juro!!!). Não está nada certo, e vai depender da minha disponibilidade pra produzir o mínimo de páginas, mas pensei já que produzi metade de uma edição, seria desperdício não publicar e tal...

Vamos ver no que dá!! =)

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Vídeo: Meus materiais de desenho - CANETAS



Nesse vídeo faço uma reciclagem de um antigo post aqui do blog (pra ler, clique aqui). Mas espero que com as demonstrações fique fácil de entender como funcionam e pra que servem cada uma delas. E antes que me pergunte como consegui tantas canetas assim, foi algo que fiz ao longo de vááários anos e também porque sou uma viciada em papelaria, HUE.


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

O dia que eu disse foda-se



Existem alguns momentos em nossas vidas que são decisivos. Momentos em que precisamos decidir entre continuar vivendo uma triste e pequena vida ou tomar o controle de tudo. Talvez esta seja a primeira vez em que realmente me sinto adulta. Todos aqueles outros momentos, eu estava apenas sendo uma pessoa dependente, tanto financeiramente quanto emocionalmente. Eu me encontrei nesse tipo de situação em que já podia pagar minhas contas com meu trabalho e ainda assim era tratada como adolescente pela minha família. Eu tinha o pior dos dois lados. É difícil crescer e amadurecer nos tempos atuais, e eu sinto que isso mais hoje que antigamente. Nossos pais foram forçados a crescer, trabalhar, formar uma família, construir uma casa e futuro para seus filhos, e isso tudo muito cedo. Hoje sinto que o mundo está tentando nos manter dependentes. E eu não quero isso. Não, não, não! É como um pesadelo.

Existiu um momento da minha vida que eu estava tão triste e deprimida, sendo pressionada por forças que hoje penso serem as forças da minha própria cabeça. Eu era a única que estava deixando aquela situação acontecer. Eu achava que estava apenas sendo uma boa filha, uma boa neta, etc. Mas eu estava sendo covarde. Evitei o conflito durante tempo demais, achando que isso poderia prejudicar a minha relação com as pessoas, mas o que eu não sabia era que o conflito era necessário, quase como uma auto-afirmação e uma confirmação para as pessoas ao meu redor de que: Hey, a Mary cresceu! Eu não sou mais a porra de uma adolescente, apesar de desejar muitas vezes voltar. Eu estou velha. Eu tenho 24 fucking anos e eu espero que as pessoas olhem pra mim com seu devido respeito. E acho que foi bem aí no meio desse turbilhão de coisas que eu disse meu primeiro foda-se, e então, a princípio, todo mundo ficou meio assustado, mas aí começaram a entender...

Eu nunca acreditei na terapia de choque, mas a verdade é que ele funciona, por bem ou por mal. É como tirar um band-aid. Você sofre mais com a expectativa, mas se for rápido, a dor dura apenas um segundo, e então você pode respirar aliviado.

O negócio é que vivi tanto tempo achando que devia satisfação sobre tudo que eu fazia. E hoje me sinto mais livre e sem aquele peso aterrorizante nas minhas costas. Não posso me enganar: ainda sou uma pessoa dependente em alguns aspectos. Acho que todo mundo tem um nível de dependência com as pessoas mais próximas de si, mas acho que é natural, porque não somos 100% autossuficientes. Nós ainda precisamos de pessoas ao nosso lado. Eu acho que tudo isso aconteceu como um rito de passagem, onde finalmente posso dizer que me sinto adulta, e as coisas mudaram, continuam mudando.

"Foda-se" é quase uma metáfora para "andar com as próprias pernas". Não permitir que as pessoas tomem decisões por você, contra a sua vontade. Empoderamento do seu próprio corpo, da sua própria vida, da sua própria mente. Largar os medos ridículos e encontrar seu próprio jeito de viver a vida. É apenas impressionante como tanta coisa mudou desde aquele momento. Hoje me sinto mais confortável para andar na rua vestindo o que eu gosto de vestir, sem seguir regras. Mudou também o jeito como as pessoas olham pra mim. Eu não tenho mais o rosto de uma garota de 15 anos (apesar de algumas pessoas me darem uns 19...) e eu tenho opiniões e sou respeitada por elas. É uma sensação nova e boa.

Isso me lembra de como sempre fui uma pessoa emancipada desde a infância, sempre buscando o caminho da independência. Crescer pode ser uma coisa bem traumática, principalmente quando você percebe que já não é assim TÃO jovem, e agora você conversa com amigos seus sobre coisas que acontecerem há dez anos atrás, com folga, como se fosse ontem. É assustador, mas ao mesmo tempo dá uma doce sensação de maturidade.

Vídeo: 5 dicas para criar um roteiro interessante

(Suri fez uma participação bem especial.. preparem-se para um vídeo da louca dos gatos hahaha)

Esse é mais um vídeo da série de "5 dicas" rápidas e práticas sobre algum assunto. Falei pouco sobre roteiro, então aqui vai:


Apesar de existir um tanto de tipos de roteiro, separei as dicas que considero as mais importantes. Não importa o que decida fazer, geralmente não se pode fugir destes temas. Não podemos esquecer que mesmo ideias geniais para uma história não são nada se não soubermos como contá-las. Narrativa é tudo. O simples é bom também, porque perdemos mais tempo construindo uma boa narrativa que ligando fatos... mas esta é apenas a minha opinião. Espero que gostem do vídeo que que isto incentive vocês a escreverem seus próprios roteiros! ;)

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Vídeo: Como se tornar um ilustrador?



Ahhhhh...

Confesso que ando com uma preguiça enorme de postar aqui no blog.

Na verdade, ando com uma preguiça geral das "redes sociais". Talvez tenha sido essas eleições que encheram a timeline com comentários no mínimo desagradáveis, tornando tudo isso muito cansativo. Muitas vezes penso em deletar o facebook, e aí eu lembro que tenho duas páginas pra cuidar e essa ainda é a melhor forma de divulgar meus trabalhos e conseguir alguns freelas.

Pois é, não tem muito o que fazer. Estou tentando não ficar muito tempo por lá, pra não consumir muito chorume, mas tempo o suficiente pra montar algumas postagens, atualizações, e responder os comentários de geral que vem falar comigo.

Mas se tem uma coisa que não me canso nunca de fazer são os vídeos pro canal do Youtube. Eu gosto muito de gravar e ficar editando e tal. Faz tempo que não monto um tutorial bacana, mas culpe a preguiça e a falta de ideias boas. Enquanto isso, faço vídeos respondendo as maiores dúvidas que vocês me mandam. Eu gostaria de ter uma resposta mais clara sobre as coisas, mas o fato delas serem tão subjetivas é o que torna "ser artista" tão gostoso. O não saber, o desconhecido. Se eu quisesse uma vida totalmente planejada, segura e estável, eu com certeza estaria fazendo outra coisa. Isso não quer dizer que não seja possível ter uma vida estável, com um futuro planejado (e ryco), mas acho que isso depende do caminho que tomamos em determinado momento e da vida que escolhemos pra nós. Sou uma mente inquieta e nunca estou satisfeita com os "modelos prontos" do mercado de trabalho, dos escritórios fechados, do horário fixo, como se existisse uma regra para a criatividade ou para a produtividade criativa. Por isso, hoje penso que ser freela é a melhor opção para mim como ilustradora, e eu nunca fui tão feliz profissionalmente. Então pra mim faz sentido um modelo de trabalho que me permita ter mais liberdade para ir além.

E ainda assim, esta sou eu. Nem todo mundo se sente como eu, e eu sei que muita gente perde o foco quando não tem uma rotina fixa e prefere o ambiente coletivo, se sente mais motivado. Confesso que a parte "coletiva" é a que faz mais falta, mas eu compenso essa parte conversando online mesmo e/ou fazendo passeios no meio da semana com outros amigos desocupados com horários de trabalho alternativos. Sem contar que agora posso me dedicar aos projetos pessoais, como por exemplo a side-story da Suzana (já leu a prévia?).

Bom, chega de bla bla bla e vamos ao que interessa: como se tornar um ilustrador? Não existe caminho fácil ou rápido. Geralmente é um caminho de aprendizado de uma vida inteira, e você nunca vai ser tão bom como gostaria. Existe muita gente melhor que você, então qual o seu diferencial? Assista ao vídeo, e se ainda tiver alguma dúvida, deixe nos comentários ;)

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Vídeo: Sobre racionamento e falta de água em SP



Bom, tá aí um assunto que fazia um bom tempo que eu queria falar, e agora que caiu a última gota d'água (quase literalmente) aqui em São Paulo, decidi gravar um vídeo. A situação não está fácil mesmo. Na verdade, é bem grave. Espero que esse vídeo ajude a conscientizar as pessoas que não estão a par da situação, principalmente as que moram por aqui e parece que ainda não entenderam a nossa situação. A água acabou, gente. Então parem de lavar suas calçadas com mangueira e, se o carro está sujo, passe um paninho, ou então deixa sujo mesmo, oras! O que dói mesmo é perceber as prioridades das pessoas... enquanto umas não tem nem água na torneira pra beber, outras esbanjam sem dó. Sem querer militar nem nada, apenas quero atentar o quanto economizar é importante nesse momento.



Enquanto houver água para as minhas aquarelas, sobreviverei.

Rs.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Magra de ruim?


Já falei sobre isso algumas vezes nas redes sociais e afins, mas sempre vale o reforço.

Sempre fui do tipo conhecido por "magra de ruim". Aquele que come um boi inteiro e continua com seus gambitinhos. "Magrela" e "Olívia palito" sempre foram meus apelidos. Quando estava na pré-adolescência, minha mãe e o resto da família tentavam me consolar dizendo que, quando eu chegasse aos quinze, "ganharia corpo". Estou com 24, e pra dizer a verdade, esse dia nunca chegou. E eu não estou dizendo que isso é uma coisa ruim. Na verdade, não é nenhuma dessas coisas. Ser magra faz parte do minha estrutura física e do meu metabolismo (acelerado), e isso não é sinônimo de mais nada, nem de ser saudável, por sinal! Quando vez ou outra, dou para reclamar da minha magreza, ouço "mas pelo menos você é magra", porque em algum universo totalmente cruel e maldoso, alguém inventou que ser magra é sinônimo de felicidade. Calma aí, minha gente. Ser feliz é sinônimo de se sentir bem consigo mesma(o), independente de ser gordo, magro, alto ou baixo.

Apesar das pessoas acharem que ser do tipo magro de ruim seja uma vantagem, afinal, teoricamente, eu posso comer quanto eu quiser o que eu quiser, as coisas não são bem assim. Eu disse teoricamente, porque ser magro às vezes pode ser uma pegadinha. Descobri há uns anos atrás que meus índices de colesterol/triglicéries estavam mais altos que deveriam. Nada grave, mas algo da qual eu deveria tomar atento, assim, pro resto da minha vida basicamente. Enfim, a minha vida sedentária e alimentação desregrada estavam tendo consequências.

E isso não é tudo. Devido a minha grande facilidade ao emagrecimento, estados latentes de estresse, depressão, nervosismo, entre outros, podem causar um pequeno estrago. Dois dias me alimentando mal podem acabar com um trabalho de meses recuperando meu peso. Essa perda rápida de peso acaba mexendo no meu sistema imunológico, que enfraquece e me deixa suscetível a doenças oportunistas. Tive algumas vezes estados reais e um pouco graves desse ciclo, o que me deixou, digamos, um pouco neurótica com esse negócio de peso.

Depois disso tudo, decidi que precisaria levar uma vida mais saudável, mudando hábitos alimentares e praticando atividades físicas frequentemente. Comecei a academia há uns anos atrás (tive muitas idas e vindas, mas agora estou firme) e tenho que dizer: nunca me senti tão forte. Forte fisicamente, afinal, naquele momento eu conseguia abrir todas as garrafas de refrigerante, algo que antes era um pouco difícil, ou então tarefas que demandavam muito esforço se tornaram simples. Era estranho, pra alguém como eu, que sempre foi tão frágil, finalmente me sentir menos "quebrável". Isso me motivou a procurar outros esportes (patins!!!) que antes não queria praticar por medo de me machucar. Mas o mais impressionante mesmo foi como tudo isso mudou alguma coisa dentro de mim: eu não tinha mais medo. Todas essas mudanças de hábito me tornaram mais resistente: meu peso agora é constante, meu humor é controlado (nada de recaídas de estresse ou depressão) e quase não fico mais doente. Sinto que finalmente não preciso ser uma louca-do-ganha-peso. Hoje, eu vou pra academia porque gosto, porque isso me faz sentir bem (endorfina, né, minha gente), porque gosto da sensação de me sentir resistente. E de quebra, isso ajuda meu corpo a permanecer mais saudável.

No fundo, sempre fui assombrada pelo fantasma da magreza, porque de alguma forma estava associado ao fato de que alguma coisa estava errada comigo, tanto emocionalmente, quanto fisicamente. Eu já aceitei que posso não ser exatamente do jeito que gostaria (afinal, nunca estamos satisfeitos com nossa aparência), mas enquanto eu estiver fazendo as coisas que gosto de fazer, cuidando de mim e do meu corpo, eu estarei no caminho certo.

Isso não quer dizer que as pessoas precisem fazer o que eu faço pra serem felizes. Como eu disse antes, cada um tem seu corpo e é responsável por ele. Ser saudável também é uma escolha que envolve muitas mudanças, muitas vezes até mesmo traumáticas (quem nunca conheceu uma louca-da-dieta?). As coisas não precisam ser assim tão radicais, a não ser que isso envolva algum risco mais grave. Eu particularmente acredito que pode, sim, haver um equilíbrio entre uma vida saudável e aquela livre de privações. Quem vive na neura e se priva de comer um chocolatinho, ou ir num churrasco de domingo, na verdade, está apenas tornando mais difícil algo que podia ser moderado e ainda assim prazeroso.

E ainda assim, esta é apenas a minha opinião. Conheço gente que leva muito a sério os treinos da academia, não faz concessões a comida, e também conheço gente que come tudo o que tem vontade, sem rodeios. E o mais curioso, isso também não tem nada a ver com ser gordo ou magro. É preciso ter em mente que estas são escolhas pessoais que nada tem a ver com os outros, também. Todos nós temos as nossas razões para sermos ou não obcecados por peso, e eu não estou pedindo para que as pessoas entendem, mas que percebam que isso é um direito meu.

Você pode estar se perguntando porque decidi contar toda essa história, num texto tão longo. Eu não costumo ficar falando sobre essas coisas, porque afinal, a luta é minha e de mais ninguém, mas é que todos os dias me deparo com comentários maldosos e completamente descabidos sobre a aparência alheia, seja sobre o peso, sobre a roupa, sobre a celulite de tal pessoa, sobre como não-sei-quem é feia(o), etc. Gente, chega dessa ditadura da beleza. Falei no último vídeo sobre a influência que as pessoas próximas a mim (ou não) tiveram sobre a decisão de alisar meu cabelo durante a adolescência, e como isso determinou uma geração de meninas que consideravam seu cabelo "ruim". Agora finalmente estamos vivendo uma "moda" mais democrática, que abraça as nossas diferenças e particularidades, e oferece opções.

E agora você pode escolher dentre todas essas coisas aquela que realmente te faz feliz, te faz sentir confortável, e não fazer o que as pessoas acham que você deve fazer, ou pior: ser quem as pessoas acham que você deve ser.


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Vídeo: Meu histórico capilar + Tutorial de cabelos cacheados



Pois é, meu cabelo já passou por muita coisa. Sobrevivi àquela época em que alisar estava na moda. Sério, até quem tinha cabelo liso fazia a progressiva. Depois de muito tempo sendo "escrava" do alisamento, tive uma situação deveras traumática que, no fim das contas, me impulsionou a voltar ao "natural". E foi a melhor coisa que eu fiz. A transição é bastante difícil, mas o resultado faz todo o sofrimento valer a pena. Agora sou livre e feliz com meus cachinhos. Aproveitei o tema retratado no vídeo pra também fazer um tutorial rápido de como desenhar cabelos cacheados. Espero que gostem!





Relembrando um tutorial escrito que fiz há uns tempos atrás, também sobre como fazer cabelos cacheados:


E AINDA:

Já viu que abri as vendas de Vidas Imperfeitas diretamente comigo? Montei alguns kits promocionais pra quem levar a coleção completa e autografada, também vai levar um desenho original! Pra mais informações, acesse o link: COMPRA VIDAS IMPERFEITAS

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Aulas particulares!

Pessoal, estou divulgando aqui pra quem tem interesse em aulas particulares ministradas pela ilustríssima eu mesma. Pra mais informações é só deixar um inbox lá no meu facebook, que combinamos pagamento, local, etc. O programa de aula depende do interesse e do objetivo de cada aluno, que terá sempre um acompanhamento do seu desenvolvimento.


Bora ajudar a amiga artista e de quebra aperfeiçoar seu desenho?! =B

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Como se formalizar no MEI?

Muita gente veio me perguntar sobre o MEI nos últimos tempos, e na época que abri, achei pouca informação sobre o mesmo, por isso decidi gravar um vídeo explicando melhor o que é e como faz para abrir o Microempreendedor Individual.

Espero que esse vídeo tire as dúvidas de vocês e caso queiram saber coisas mais específicas recomendo procurar um contador pra que ele possa guiá-los.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Amizade que vem e vai

(essa foto foi tirada em algum lugar de 2005... sim! há quase 10 anos atrás...)

Tem vezes que bate um sentimento forte dentro de mim, um sentimento de como as pessoas são/foram importantes na minha vida. Como temos amigos incríveis que se perdem no tempo e espaço, pessoas que consideramos demais e com as quais acabamos perdendo o contato. É triste. Mas é fato que os amigos vêm e vão, com a mesma facilidade, com a mesma velocidade... e tudo o que resta são a memórias das coisas que um dia já foram e que jamais serão as mesmas (será?).


(essa é de 2007... com meus amigos "cientistas"! e eu ainda de cabelo liso, minha gente! como as coisas mudam, ou como o tempo muda a gente)

Meus primeiros melhores amigos conheci nos tempos de escola, mas especificamente no colegial. Se antes éramos amigos, nada foi tão intenso quanto estes três anos tão especiais. Eu acho que me descobri. Deixei de ter medo de ser eu mesma, e aprendi muita coisa com nossas diferenças. Nós compartilhamos momentos, felizes ou tristes, descobrimos e redescobrimos paixões, sentimentos, e tudo o que envolve a vida de um adolescente. Mas a gente era nerd, né? Nunca esquecerei as ~disputas saudáveis~ que fazíamos pra ver quem ficava em primeiro lugar no simulado da escola. Talvez a coisa mais valiosa que aprendi foi a de estar sempre em busca de ser uma versão melhor de mim mesma.


Na faculdade, encontrei pessoas que nutriam a mesma paixão que eu pela ARTE. E eu também descobri novos conceitos de arte. Eu aprendi a mudar de opinião. A estudar e a buscar cada vez mais conhecimento, porque sem isso, a gente não é nada. Acho que aprendemos juntos a amadurecer, como pessoas e como profissionais. A vida real, pra quem acaba de sair da escola, é um baque. Responsabilidades, contas pra pagar, um diploma pra conseguir. E então encontrei pessoas incríveis com as quais compartilhava gostos e ideais. Ainda sinto falta das tardes nos ateliês e dos nossos almoços compartilhados...

(foto tirada em 2010 em Inhotim/MG)

Uma das melhores viagens que já fiz foi uma excursão para as cidades históricas de Minas, com a faculdade. Talvez seja porque foi a primeira viagem que fiz estando com meus amigos uma semana direto. Tantas histórias engraçadas e tantas fotos sem noção. E naquela época nem existia esse negócio de "selfie" hehe.


Os melhores amigos que já tive na vida, curiosamente, conheci pela internet, numa época em que me sentia bastante diferente das pessoas ao meu redor. Na internet, pude entrar em contato com pessoas com os mesmos gostos que eu, que não iriam me julgar. É até estranho pensar no impacto que a internet teve na minha vida, ainda mais depois de uma adolescência deveras... turbulenta. Eu era meio tímida e meio deprê, sabe. Mas as coisas só mudaram e pra melhor. Se não fosse pela paciência e amizade dessas pessoas, eu não estaria aqui hoje, pode ter certeza. É uma pena que a maioria delas more tão longe de mim, o que torna nosso contato um pouco limitado, ainda mais depois que nos formamos e começamos a trabalhar. A vida adulta não poupa ninguém. Eu gostaria de dizer que estas pessoas continuam sendo importantes pra mim, mesmos distantes.


E nas poucas oportunidades que tivemos de nos encontrar pessoalmente, eu gostaria que tivéssemos tido mais tempo. Pra bater papo, colocar as fofocas em dia. Sair pra tomar um café, sair pra patinar. Meus melhores amigos moram tão longe, e eu confesso que boa parte do tempo sou apenas uma amiga relapsa. Mas aí me lembro... e sou muito grata por ter todos vocês na minha vida.


Alguns são bros. Desses que a gente acha largado por aí. Brinks.


Outros são como Buda, nos guiando e nos aconselhando.



Alguns são indescritíveis. Cinco anos parecem muita coisa. Parece uma vida inteira, de altos e baixos, de brigas, mas acima de tudo: de compreensão. A gente passou por um monte de coisa, é verdade, mas isso só fez a gente perceber que o diálogo é a resposta pra praticamente tudo. Pensando bem, você está mais perto de mim ainda. Talvez não porque sejamos capazes de aceitar tudo um do outro, mas porque compreendemos que as diferenças fazem parte, e porque somos únicos, cada um com sua visão do mundo.

Por vezes, não entendemos como nem porque. De repente somos amigos. Melhores amigos. Pessoas pelas quais nutrimos uma imensa admiração. E você pode não estar neste post, mas acredite: já fez alguma diferença na minha vida. Porque pessoas são como um pedacinho do céu no caos que é as nossas vidas. E por causa delas, não precisamos andar sozinhos.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Coleção completa e autografada de Vidas à venda

Pois é, pessoal! Demorou, mas decidi abrir as vendas da coleção completa do Vidas Imperfeitas diretamente comigo, ou seja: edições deliciosamente autografadas por mim xD

As vendas vão rolar por tempo limitado, pois não sei até quando conseguirei organizar os envios e etc. Irei disponibilizar primeiro um lote de 10 revistas de cada edição e ir aumentando conforme a demanda. 

Então vamos lá! Fechei 2 pacotes especiais além das vendas avulsas, por isso aproveitem! =)




AVULSOS

Edição 1 = R$8.90
Edição 2 = R$8.90
Edição 3 = R$8.90
Frete = R$2,00 simples ou R$4,50 registrada (para cada edição)

KITS

1 - Coleção completa (edições 1, 2 e 3) + frete = R$32

2 - Coleção completa (edições 1, 2 e 3) + desenho original* + frete = R$40

*desenho/sketch original de algum personagem do Vidas a sua escolha, em tamanho A5

FAÇA SEU PEDIDO

Envie um e-mail para marycagnin@gmail.com com o seu pedido, nome, e endereço completo, que eu retornarei com as informações para o depósito bancário. O pedido será enviado após a confirmação de pagamento.

Obs.

- Pode ser que os pedidos demorem um tempo para serem despachados, pois levarei todos os pedidos ao correio de uma vez no final de cada semana.

- Os pedidos que não tiverem pagamento confirmado em até 7 dias serão cancelados.


É isso aí, pessoal! Se tiverem mais alguma dúvida me avisem!

=)

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Páginas da Side-story!

GENTY.

Eu tava fazendo essa side-story quando deu a maior desanimada de todos os tempos e acabei parando na metade =(((

Eu quero muito conseguir terminar tudo, porque gosto bastante dessa história, que inclusive já postei por aqui em forma de narração. Pois é. Decidi postar as páginas que já desenhei, pra vocês verem como está ficando e tudo o mais. Rezem pra que eu encontre forças pra terminar.



Leia AQUI ou aqui:

Vídeo: First Sentence Challenge

Decidi fazer um vídeo diferente dessa vez, um desafio! O Doug, que fez uma participação especial, tinha que escolher 5 livros da minha estante sem eu saber quais eram e falar a primeira frase de cada um deles. Eu teria que adivinhar qual livro era a partir dessa frase. Foi bem divertido e espero que vocês gostem! =D



quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Vídeo: Bate-papo com ilustrador Erik Malagrino

O vídeo é da semana passada, mas está valendo. Convidei meu amigo Erik, que é ilustrador, pra falar um pouco sobre sua carreira, como tudo começou, qual sua experiência e dicas para iniciantes. Gostei bastante deste formato de vídeo e descobri meu novo talento como repórter... brinks... e pretendo gravar mais vídeos desse tipo, por isso fiquem ligados lá no canal do Youtube!

O Erik é ilustrador no estúdio Lab307 (veja site) que abriu junto com seu sócio e trabalha principalmente ilustrando pro mercado editorial. Bacana, né? Confiram algumas artes do estúdio:







E agora, confiram o vídeo:





Se curtiu, se inscreve no meu canal clicando no botão aqui embaixo:


terça-feira, 16 de setembro de 2014

As possibilidades de um novo mundo

Algumas pessoas já devem estar a par desta nova HQ na qual estou trabalhando, inclusive já falei sobre ela e postei alguns estudos por aqui. A questão é que ela é tão diferente de tudo que já fiz, em vários sentidos, que ela ficou um tempo parada por falta de inspiração e referências. Eu nunca escrevi uma ficção cientifica nem nada sobre o espaço. E apesar de ter assistido aos grandes filmes do gênero, não era como se eu fosse muito entendida do assunto. A ciência e o espaço num geral me atraem bastante e já vi diversos documentários que apenas confirmavam a minha inabilidade de entender como nosso universo funciona. Na teoria, tudo bem, mas na prática...

Por um tempo tentei encontrar uma essência, um ponto da onde tudo surgiu, tanto para o roteiro quanto para criar a linguagem visual da história. Eu queria que fosse próximo a realidade: se isso acontecesse mesmo, como seria? Mas é difícil trabalhar com as possibilidades do real quando não se é um cientista e não se entende a dinâmica de naves espaciais, etc. Então como criar uma nave que fosse ao mesmo tempo funcional e visualmente interessante? Se eu permanecesse nessa linha de raciocínio, eu iria falhar, iria acabar desistindo... Apesar de eu ter definido boa parte do contexto da história, eu pensei que talvez... TALVEZ o fato de eu não ter muito contato com esse universo fosse meu diferencial, e eu pudesse contar uma historia de um ponto de vista diferente, com naves e elementos visuais que a principio podem não soar muito "reais" mas que se ao menos tivessem algum propósito, então tudo bem.

E então, as coisas voltaram a caminhar como deveriam. Mais devagar do que eu gostaria, mas ainda assim, é melhor que nada. Confesso que às vezes imagino um projeto muito além da minha capacidade, e tenho dúvidas se ele ficará mesmo tão legal quanto parece na minha cabeça, ou se serei capaz de transportar a história da minha cabeça para o papel de forma satisfatória. Isso tudo me dá um frio na barriga, é quase como andar no escuro sem saber se chegaremos em algum lugar. Porém, é essa mesma sensação que torna tão emocionante a arte de fazer quadrinhos.

Como meus personagens, estou mergulhando num novo universo, cheio de novas possibilidades. Eu imaginei como seria se nosso planeta mergulhasse numa nova guerra mundial, a mais horrenda de todas. É um futuro que muitos já tentaram imaginar, afinal, ele é tão distante, mas tão próximo. Pode acontecer a qualquer instante, literalmente. Alguns chamam de Apocalipse, mas é apenas o inevitável. O mundo como você conhece já não existe mais, apenas ruínas e morte. E o que restou?! Algumas cidades, algumas pessoas, uma nova Organização Mundial... e a esperança de que os humanos possam sobreviver em algum lugar. Você olha para o céu. Mas onde?







Eu gostaria de ser capaz de não escrever uma história tão longa quanto o Vidas, mas sabe como é. Eu tento. Este projeto é composto originalmente por contos, que apesar de se passarem no mesmo universo, contam momentos diferentes da história, com personagens de alguma forma ligados uns aos outros. Eu gosto da ideia de apresentar a história a partir dos contos pois o leitor descobre o todo através de fragmentos, o que é meio enigmático e misterioso. Tem tudo a ver com como eu mesma enxergo o universo: ele é tão grande e incomparável que foge da minha compreensão.

Espero poder postar mais novidades sobre este projeto em breve! =)

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Sobre sonhos e pesadelos



Existem alguns sonhos que são tão terríveis que fazem a gente soar frio, acordar de supetão, assustado, com o coração acelerado. E eu até sei o que torna esse tipo de sonho tão diferente de outros. Muitas vezes temos sonhos mirabolantes, sem pé nem cabeça, com dinossauros, aranhas gigantes, viagem no tempo, reencontrando amigos de infância, e até mesmo sonhando que somos outra pessoa ou que temos um corpo completamente diferente. Nada disso faz sentido, é claro, e esquecemos facilmente deles assim que acordamos.

Mas existem aqueles sonhos - os pesadelos, eu acho - que você dificilmente esquece. Fica na sua cabeça por horas, até dias. Incomodando. A maioria deles parecia ser tão real, que se você não tivesse acordado alguma hora, você poderia acreditar piamente que era a sua vida real, e que algo terrível estava acontecendo. Ou então sua vida teria mudado pra sempre. Parece que é nossa mente tentando nos preparar para o pior ou nos alertando "tome cuidado, ou isso pode acontecer". Quer dizer, existe uma conexão muito próxima com o real - não são dinossauros, então você acredita.

Já tive sonhos em que estava grávida, ou tinha acabado de ter um filho, e na maioria das vezes, isso me desespera pra caramba. "Minha vida acabou!" ou então "e quanto aos meus sonhos?" e coisas desse tipo. Também já sonhei que fui brutalmente assassinada. Já levei alguns tiros e fui esfaqueada. A parte bizarra é que logo antes de acontecer, sinto uma dor absurda, talvez de como imagino que seja ser vítima de algum ataque do tipo. É quase como sonhar que está beijando alguém sem nunca ter tido a experiência, e tudo o que você sente é um "dançar no vazio". Já sonhei também - e esse sonho foi bem recente - que eu sofria um acidente de avião e antes de acontecer eu sabia o que ia acontecer, então só fechei os olhos e senti algo como a sensação de ser queimada viva com a de ter seu corpo destroçado em vários pedaços. Not cool.

E existem também aqueles sonhos embaraçosos em que damos uns pegas no nosso melhor amigo(a), fazemos algo completamente bizarro ou socialmente inaceitável, falamos algo totalmente estúpido e absurdo, ou senão ficamos tentando consertar alguma situação durante muito tempo sem sucesso. Eu tenho com frequência o tipo de sonho em que preciso fazer alguma coisa aleatória, mas nunca consigo, sempre dou voltas e voltas e sempre algo me impede de realizar o que preciso. E isso me aborrece profundamente. É o medo do fracasso me atormentando.

E às vezes, sonho com pessoas que gostaria de ver, ou com quem acabei de falar antes de dormir. Com personagens de filmes ou séries (e alguns deles renderam coisas bem interessante hoho... abafa). Com histórias que passo imaginando muito tempo na minha cabeça, mas nunca é do jeito que espero. E também que todos a minha volta tem um corpo diferente, inclusive eu, apesar de eu reconhecer e saber com certeza absoluta quem é quem (às vezes, eu até sou um homem!). 

Claro que esses pesadelos sempre me impressionaram, alguns já me fizeram acordar chorando no meio da noite. Uma vez acreditei que meu pai tinha sido abduzido por aliens, e eu juro, parece idiota agora, mas levei tão a sério que acordei soluçando e não consegui mais dormir. Ontem a noite, sonhei com o fim do mundo, e foi isso o que me fez escrever hoje sobre esse assunto. Minha mãe estava tentando colocar um edredom na janela, a fim de diminuir algum tipo de impacto eminente. E eu sabia disso. Seria alguma onda de choque, alguma explosão, algo assim. Depois de um tempo, olhei pra fora e o céu estava preto. Do nada. Por alguma razão, da janela do meu quarto, eu subi na poltrona e consegui ver o "horizonte do mundo". Vi um vulcão entrando em erupção, e eu sabia que aquilo estava acontecendo, sei lá, no meio do oceano, mas eu sabia também que chegaria até a gente. E aí começou a chover uma coisa cinza e tóxica, e a gente não podia sair lá fora, ou sei lá, seríamos derretidos pela chuva. Eu tentava ligar pro meu namorado, pra saber como ele estava, mas ele não atendia e eu nunca senti tanto pânico em não saber se ele estava bem...

Eu não sei o que todas essas coisas significam. Às vezes acho que eu sou a pessoa com os sonhos mais impossíveis. Uma pena eu nunca ter chegado a anotar todos meus sonhos, pois a maioria esqueci. Mas se eu tivesse anotado, seria realmente perturbador. Alguns, porém, continuam ali, me assombrando. Como as possibilidades de um final terrível, onde nada mais resta a não ser esperar a hora de acordar.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Tem projeto novo no ar!

Começou na semana passada mas andei meio dispersa e acabei não postando nada por aqui. O projeto nem tira nem nada, idealizado por mim, surgiu de uma necessidade de produzir, principalmente quadrinhos, numa situação em que eu não tinha inspiração nenhuma. Chamei alguns amigos para participar desse projeto coletivo comigo, para que juntos, um inspirasse o outro. O nem tira (como apelidamos carinhosamente) tem um tema novo toda semana, que será trabalhado pelos integrantes de forma livre e criativa. Cada um interpreta o tema como quiser e a gente vê onde podemos chegar. Ainda não temos muitas diretrizes a não ser a produção e postagem no tumblr. Apenas que é um grupo fechado (já criei grupos abertos que infelizmente não foram a lugar algum - e um grupo restrito é mais fácil de administrar).

Essas foram as duas tiras que postei até agora:

Tema: Fim do túnel


Tema: Renascimento



Se curtiram, visitem a nossa página do Tumblr, curtam e compartilhem por aí ;)

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Vídeo: Sobre o curso de Artes Visuais



Como algumas pessoas me pediram, gravei um vídeo falando um pouco sobre o curso de Artes Visuais. Não falei sobre o vestibular porque muita coisa mudou desde a época que prestei, inclusive as provas já não são mais as mesmas (o meu foi o último ano do vestibular pra Unesp que só tinha uma fase, depois foi pra duas fases e mudou tudo). A única coisa que continua é a prova específica, que consiste também numa parte teórica (no manual do curso você encontra as matérias que caem na prova e os livros sugeridos) e uma parte prática. Se não mudou, a parte prática são 2 desenhos: um de observação e outro é o desenvolvimento de um projeto artístico. Sugiro que procurem as provas antigas pra terem uma ideia da prova. Para saber mais, visite o site do Instituto de Artes da Unesp.

Bom, espero que o vídeo seja útil. Se ainda tiverem dúvidas, deixem nos comentários ;)

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Vídeo: Aquisições da Bienal do Livro (SP)


Já fiz um post falando da Bienal, mas aproveitei pra mostrar as minhas aquisições e comentar um pouquinho sobre elas. Espero que gostem do vídeo! =)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Pergunte ao infinito


Tenho medo de ser uma dessas pessoas que tem respostas prontas pra tudo, opiniões e dogmas imutáveis... acho que a vida se torna mais rica quando você para um pouco e simplesmente se pergunta... por quê?!

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Bienal do livro

video


Eu ia preparar um vídeo completo da bienal, tipo um vlog, mas chegando lá acabei gravando quase nada e a ideia miou. Tirei poucas fotos também. A verdade é que decidi ir durante a semana pra evitar multidões e filas insuportáveis e peguei um dia com uma programação bem fraca. A parte boa é que consegui comprar todos os livros e quadrinhos que queria (e outros que não estava planejando comprar, mas...) então valeu. Gostaria de ir no sábado também porque vai ter bastante autor autografando e uma programação interessante, mas só de pensar na quantidade de gente já fico meio desanimada. Tem certas coisas que exigem preparo e paciência, pra gente não acabar frustrado na hora, sabe? E evento tem esse poder de me frustrar, principalmente quando tem filas enormes pra comida e banheiro, ou senão pra pegar o ônibus pra ir embora. Mas isso é coisa de gente chata como eu hahaha.

Agora, umas dicas pra quem pretende ainda visitar a Bienal:

  • Baixe o aplicativo da Bienal

O link você encontra no próprio site da Bienal e eu achei muito bacana porque além de deixar disponível toda a programação, você pode marcar favoritos e colocar alarmes para despertar assim que for começar algo que você gostaria de participar. E também tem uma planta do evento, assim você chega mais fácil onde gostaria.

  • Leve água e guloseimas

Não espere a sede ou a fome bater pra enfrentar filas enormes nos quiosques de comida e já leve pelo menos uma água pra ir se hidratando.

  • Faça uma lista de compras

Separe a lista pelas editoras assim fica mais fácil encontrar tudo o que quer comprar sem ter que dar muitas voltas no evento.

  • Se programe

Se você, assim como eu, fica irritado em multidões e não tem paciência, pense duas vezes antes de ir ou se programe bem antes. Estabeleça metas do que gostaria de ver ou comprar, mas esteja ciente de que não adianta ter pressa. Se for pegar o ônibus gratuito no metrô Tietê, conte com uma fila de espera. Eu fui numa quarta-feira e esperamos cerca de 20 minutos para embarcar. Durante o final de semana pode ser que vire uma hora ou mais. O mesmo para pegar o ônibus de volta.


 
No Iron Throne!



O Vidas lá no estande da Comix! Quem já tem sua cópia?? ;)



Minhas aquisições da Bienal! Vou ler e faço resenhas por aqui, combinado?


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...