terça-feira, 16 de julho de 2013

Sobre trabalhar com arte e um rascunho

Estava sem postar há um tempo e isso me deu um chilique interno. Acho que preciso atualizar mais isso aqui, escrever mais, enfim. Eu gosto do contato com as pessoas que me acompanham e acabo vendo o blog como uma porta aberta para tal. Sei disso porque acompanho vários blogs, e mesmo não comentando, eles são muito importantes para mim, e sei que não conheço muita gente que me visita, mas acredito que, em algum nível, as minhas postagens podem ser importantes também.

Queria poder dar um pouco de mim e das experiências que tive para aqueles que almejam um caminho parecido, para que tenham ao menos noção do que é possível fazer. Eu queria ter tido mais noção quando comecei, e todas as palavras que li/ouvi me pareciam subjetivas demais quando se tratava de arte e "viver de arte". Eu sempre achei que pudesse trilhar um caminho único e acabei fazendo tudo meio as cegas. O que não foi ruim, foi muito bom na verdade. Eu aprendi muita coisa, mas acho também que tive um pouco de sorte. A sorte não é algo que cai assim, do nada, em cima da nossa cabeça. É preciso estar em movimento e estar aberto a possibilidades. Por muito tempo não via reconhecimento em nada que fazia, simplesmente. Não ganhava dinheiro, reconhecimento, nada. Isso parou de ter importância uma hora. E é preciso parar de se importar, senão você acaba ficando maluco, imaginando porque é impossível entrar no mercado, porque as pessoas não notam o que a gente faz, por quê? Por quê? POR QUÊ??

Esse mercado de arte (incuindo design, ilustração e quadrinhos) é muito ingrato. Você pode seguir todos os passos para ser um artista de sucesso e não obter sucesso algum (muitos desses passos nos dizem para ter paciência, trabalhar duro, divulgar seu trabalho, participar de avaliações de portfolio com profissionais...) - e acreditem, eu fiz tudo isso. São coisas que devemos fazer para o nosso bem e não são condição NENHUMA para se obter sucesso. Você pode seguir todos os passos ao pé da letra e continuar no mesmo lugar. Mas por quê? Bem, já quebrei minha cabeça tentando entender. Uma hora você vai perceber que muitos destes conselhos são conflitantes entre si e você não vai saber qual deles seguir. Além disso, nem todo gênio será reconhecido, assim como nem todo reconhecimento é fruto de genialidade. Às vezes, basta conhecer a pessoa certa, ter QI (aaahhh, o famoso QI! Funciona, sim!) estar no lugar certo, na hora certa, ser cara de pau, insistente. E mesmo assim, nada garante que seu futuro seja exatamente do jeito que imagina...

Estar aberto a possibilidades talvez seja a resposta para tudo isso. Por mais que queiramos muito ser alguma coisa, acabamos nos dando bem em coisas bem diferentes, em coisas que nem ao menos gostamos. Parece sacanagem ser bom em algo que não se gosta, mas é a verdade. Por um tempo, trabalhei como estagiária numa área mais voltada para o design, e apesar de ter algum desenho, acabou ficando bastante técnico para o meu gosto. E pior, eu era ótima fazendo aquilo. Eu era reconhecida pelas coisas que fazia mas tinha muitas coisas que não me agradavam e eu acabei saindo da empresa. Às vezes, eu penso sim como teria sido se eu tivesse continuado lá, eu teria sido promovida e talvez estivesse muito "bem de vida"comparando com agora, mas eu teria ficado pinel, com certeza.

No final do ano passado, prestes a me formar e sem ter certeza nenhuma sobre meu futuro, cheguei a cogitar voltar para o design, mesmo sabendo que tinha muita coisa que eu não curtia fazer. E esse era meu plano, sabe. Por alguma razão, tudo começou a mudar, e grandes oportunidades voltadas para ilustração começaram a surgir. Primeiro eu fiquei meio "é possível?" mas depois entendi que esta era minha chance. E querem saber de uma coisa? Mesmo podendo trabalhar com ilustração agora, não sou tão "genial" quanto era no meu antigo emprego, não tenho a mesma confiança que tinha no que estava fazendo, e tenho que lidar com todas essas coisas ao mesmo tempo.

Ahhh, viver é difícil. É tudo uma questão de escolhas... Escolhas que parecem tão bobas e insignificantes, mas que mudam tudo. Eu sei que posso crescer muito na minha carreira como ilustradora, mas nada nesse mercado é muito certo. Eu não sei até onde sou suficiente e até onde posso ir; se devo almejar um trampo fixo ou buscar independência (principalmente financeira) sendo freelancer.

Quer dizer, eu sou a prova viva de que é possível, mas o meu caminho é diferente do de outras pessoas, e não existe absoluta certeza em nada quando se trata de ser artista. Se você leu até aqui em busca de um conselho, eu tenho que dizer a única coisa mais concreta que aprendi nesse meu (ainda curto) caminho no mundo da ilustração: SEJA PLURAL. É sempre interessante ter um estilo único e reconhecível, mas você irá decolar se souber se aproximar do maior número de estilos possível. Seja plural em ideias, traços, cores, estilos. Você sobrevive por um tempo sendo apenas original, mas quanto tempo irá permanecer se não tiver certa pluralidade...?! Como artistas, como ilustradores, temos esse dever em transformar os desejos e as ideias dos nossos clientes em realidade, e em algum momento seremos forçados a atender esses desejos mesmo que nos pareça estranho, feio ou desconexo. Por isso, é preciso aprender a decodificar esses desejos e prestar muita atenção nas referências que nos são passadas (muitas vezes, as referências são praticamente literais). E não se preocupe se achar que está apenas "copiando", porque existe muito de nós mesmos no que fazemos, sempre vai haver um toque nosso, e no final, convenhamos... este É o nosso trabalho. Apenas não deixe que lhe digam que seu traço não é o que o mercado procura porque, acredite meu bem, isso foi o que mais ouvi na vida. (Tem quem diga que o que eu faço não é mangá e outros insistem na ideia de que é mangá. Aprendi a ignorar e me desenvolver a ponto de que as pessoas não precisem mais me enquadrar em lugar algum...)

And good luck =)




Comentários
6 Comentários

6 comentários:

  1. Bom é mesmo difícil esse lado do mercado! Mas é o que a maioria quer fazer e seguir! ._.
    Sobre Vidas Imperfeitas, Sendo mangá ou não é muito bom e seu traço é perfeito!
    Já estava ficando com saudades dos posts aqui! XD

    ResponderExcluir
  2. Uma vez escutei que quando a gente faz o que ama as coisas acontecem naturalmente...Eu realmente acredito nisso. A única coisa que falta é a coragem pra assumir de uma vez por todas o que nós amamaos! As vezes fazer uma coisa meio chata mas garantida é muito tentador...temos muito medo da instabilidade, e isso acaba sendo o maior impedimento de todos! Um dia quero chegar nesse nóvel de coragem e ser feliz com o que eu amo fazer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, dá um pouco de medo de arriscar... são muito prós e contras! E outra coisa, o mundo tá mudando mto e temos pouca gente em quem nos basear, né? Eu acho que seria incrível abrir um estúdio, por exemplo, mas também tenho medo de não saber levar, é muita responsabilidade! E tem grandes chances de não dar certo ou não ser tão legal quanto imaginamos...

      Excluir
  3. Mary, que lindo. Levo seus conselhos pra minha vida, garota.
    Tô começando o curso de Artes agora. Antes disso cheguei a me aventurar por Análise e Desenv. de Sistemas. Até gostava da área e me dava bem com isso também, mas, como você, eu já tava pirando naquele curso.
    Jogar tudo pro alto e colocar na cabeça que ia fazer artes foi um choque tanto pra mim como pra rapaziada de casa e os amigos próximos. Geral sabia que eu rabiscava, mas é muito difícil alguém ver futuro nisso. (falo até por mim mesmo!)
    É bom ver que nem sempre a gente cai sozinho nas coisas, assim, de cara. Que tem gente que já passou pelo mesmo e hoje tá aí, em cima. É uma grande jornada.

    Vê se não some viu? Continua escrevendo e postando no vlog.
    Até. <3

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...