sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Um pouco de história

Não sei se tudo mundo conhece a história do fanzine Vidas Imperfeitas. Bem... começou com uma idéia inocente que tive, durante as férias de 2008. Talvez eu estivesse enlouquecendo por causa do cursinho, vestibular, etc... Bom, aí eu tive essa idéia de uma personagem que fosse diferente das outras protagonistas de mangás. Ela seria alguém forte, inconsequente, anti-moralista, agressiva, que tivesse uma personalidade forte. Então surgiu a Juno.


Estes foram os primeiros rascunhos que fiz da Juno. Aí surgiu a idéia dela ser confundida com um menino às vezes. O fato dela ser meio andrógina é algo que sempre me agradou e a torna tão interessante, mas sem deixar de ser feminina no final.


Depois surgiu o Daniel, que seria o "par romântico" dela. Mas não é só por isso, ele meio que desenvolve uma fixação por ela no começo, porque ela era tão diferente das outras garotas. Talvez seja um tipo de síndrome do príncipe encantado... ele queria descobrir o que havia por trás daquela máscara de "garota problema" que ela tinha.











Ele fica impressionado com a altura dela, porque tinham o mesmo nível de olhar. Ela é realmente alta (tem 1,78 m) talvez seja algum desejo secreto meu, porque perto dela eu seria uma verdadeira anã ^^'









Depois fui criando os outros personagens que fariam parte do universo da história.









Suzana Leonn, a melhor amiga tímida. O completo oposto da Juno. Mas elas tem muito o que aprender juntas. Preciso de tempo e espaço pra desenvolver melhor essa personagem. (Na edição 5 ela aparece mais)








Ahhhhhh... Diego. O Diego Marino não lembro direito como surgiu na minha cabeça. Vai ver foi porque ele faz (muito) meu tipo. Cof, cof. Frio, calculista, não tem medo de ser desagradável. Enxerga o mundo amplamente, sem sentimentalismos. Um cara misterioso assim mexe com a jovem Juno, que desenvolve uma paixonite crônica aos seus 13 aninhos, que dura uns 2 anos até ele finalmente notá-la.









Eu gosto do Jay. Jay Omura é o tipo de cara garanhão, simpático, divertido, gosta de festas, de diversão. Também sofre da síndrome da Juno, de apenas enxergar aquilo que deseja, moldando o mundo ao seu redor. Tem uma ingenuidade quase infantil e não sabe lidar direito com seu pai.











Depois de ter criado grande parte do universo deles, e algumas outras questões como o passado sombrio da Juno, decidi que precisava começar a desenhar as primeiras páginas, como tinha imaginado. Veja bem, eu estava de férias, entediada de ficar na praia, com uma idéia latente que precisava ser colocada no papel. Uma coisa levou à outra... Depois de desenhas as 10 primeiras páginas, voltei para casa e decidi postá-las no DeviantArt. Lembro de ter saído para comprar comida e uma hora depois, quando abri a minha página, tinha 40 comentários me esperando. Fiquei extremamente surpresa, porque nunca tinha recebido tantos comentários assim antes.























Eram todas feitas a mão, a lápis, inclusive as legendas. Não tinha grandes preocupações estéticas, eu só queria mostrar pras pessoas a minha idéia. 

Conforme fui postando as páginas seguintes, o feedback aumentou e, àquela altura, eu já não conseguia mais parar. As idéias saltavam na minha mente e eu chegava a desenhar, às vezes, quatro páginas por dia. Mas se não fosse pelo apoio do pessoal que lia e comentava, eu não teria tido forças pra continuar. Fiquei feliz que estavam gostando e pedindo sempre mais. 

No final do ano, eu já tinha desenhado mais de 100 páginas. Eu quase não tinha tempo para dedicar as páginas, devido as provas do vestibular. Também estava "empacada" numa parte da história e não sabia direito como continuar. Depois que eu entrei na faculdade (de Artes Visuais) conheci uma amiga que fazia fanzines e achei que deveria transformar essa história em fanzine também. Peguei as páginas antigas e as melhorei, dando uma arte final para elas, editando e colocando legendas no Photoshop. 

Foi assim que surgiu a primeira edição do fanzine. E todas as outras que vieram. Com o passar do tempo, fui melhorando o roteiro, as passagens, a quadrinização, enfim... Mudei bastante coisa do contexto original, mas creio que a essência ficou. "Vidas Imperfeitas" é um retrato da vida, das pessoas. Gosto de mexer com esse lado mais humano das histórias.

Bom, espero que tenham gostado dessa retrospectiva, e obrigada a todos que me acompanham desde aquela época e aos novos fãs, que sempre me apoiam!

Pra terminar, mais alguns desenhos feitos na época:

 Collab entre eu e o Igor. Ele fez o fundo e eu os personagens.





















 Desenhos feitos para um contest do DeviantArt.












































Comentários
11 Comentários

11 comentários:

  1. Nossa, esses rascunhos são lindos! o.o
    gosto mto do seu traço no lápis, essa "poluição" das linhas dá vida aos desenhos =D.
    Não sabia que o projeto era de 2008, achei q vc tinha começado qdo entrou na facul, legal saber essas coisas o/.
    sucesso ai! bjus

    ResponderExcluir
  2. Muito massa esse post. =]

    Cheguei tão fatigada em casa hoje, e esse post me ajudou a retomar um pouquinho da garra perdida durante o dia.

    Continue, continue, moça!

    ResponderExcluir
  3. Aee! Fico feliz em estar 'inspirando' as pessoas, na verdade é isso q faz nosso trabalho valer a pena ^^

    ResponderExcluir
  4. Seu treço mudou bastante desde o começo, a Juno de agora não parece quase nada com a do início, mas acho que você ainda tem alguma dificuldade em desenhar ela, porque às vezes fica meio diferente, às vezes bem feminina, às vezes um tanto masculina, às vezes ela parece japonesa mesmo, as vezes não...
    Apesar de as páginas do começo não estarem tão "arrumadinhas" mas elas já estavam até que bem feitas.
    Eu acho que os personagens da história não tem problemas assim tão grandes, eles são apenas adolescentes confusos que não sabem lidar com esses problemas e aí eles parecem bem maiores...
    Você já tem algum plano de fazer alguma outra HQ quando acabar esta?

    ResponderExcluir
  5. Escrevi errado... ¬¬
    Traço***

    ResponderExcluir
  6. Eu lembro da época dos quadrinhos todo à mão e tenho que ressaltar que as coisas melhoraram muito daqueles tempos pra cá!
    Adoro descobrir esses detalhes sobre as histórias XD Eu me identifico bastante com a Juno justamente pelo fato de estar meio de saco cheio dessas garotinhas bobinhas das histórias! Sempre dependentes, fracas e sentimentais, aff =_= O mais divertido foi você ter posto o "seu tipo" como o meio "inimigo" da parada, e não como o par romântico da protagonista. Eu já disse milhões de vezes que adoro o Diego, e por ele não ser o par, o torna ainda mais especial XD

    ResponderExcluir
  7. Respondendo alguns pontos doscomentarios:
    REnata: A Juno mudou bastante desde o começo da serie, mas isso é comum mesmo, até os desenhistas se acostumarem a desenhar um personagem, ele acaba saindo um pouco diferente, mas a "versão atual" foi a rsolução q achei para desenha-la na caneta sem perder suas caracteristicas principais (desenhar com lápis permite detalhes q a caneta não.. e vice versa) Em geral eu detalho melhor os rostos em closes e de longe dou uma simplificada. Ela é mestiça então algumas caracteristicas japonesas não são tão marcantes.
    E claro q os problemas não são tão grandes qto parecem ser, mas é assim q as pessoas são, simplesmente, temos todos braços e pernas e continuamos infelizes. É um drama humano.. eu escrevo sobre humanos, e tento passar uma outra visão do mundo (como escritora).

    Gis: Ah.. isso é verdade, seria mto cliche a garota se apaixonar pelo perversão da historia, ai ele acaba mudando sua atitude só pra mostrar q gosta dela tbm.. aiuhsiuahs eu não gosto de historias convencionais e moralistas, pq acho q o mundo não é assim e acho um saco qdo as pessoas acreditam nisso de forma absoluta ^^

    ResponderExcluir
  8. Eu não gosto do Diego, acho que se ele existisse ele seria um canalha idiota... Não que eu ache que todos os caras tem que ser certinhos nem nada, mas pelo menos eu não gostaria dele, acho que você gosta dele por ele fazer parte da sua história, e você poder manipular ele como quer que ele seja, mas, se ele existisse ele seria um idiota, e se ele fosse seu "par" ele provavelmente iria partir seu coração e ser um estúpido muitas vezes, na maior parte do tempo... e ele não seria como você gostaria. Até os caras "frios e calculistas" são mais "príncipes" em histórias...

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto do Diego por diversas razões, mas nunca acreditei q se ele existisse, seria um cara pra vida inteira.. ele é interessante como pessoa, e isso as pessoas esquecem de enxergar, e só pensam como seria se ele fosse um par romantico. Ele pode ser um bosta romanticamente mas vejo ele como parte essencial da historia. Ele sempre aparece falando coisas desagradáveis, mas ao meu ver, ele é um dos unicos q enxerga a vida com certa 'racionalidade' diferente de todo o drama adolescente. Se ele fosse real, adoraria levar um papo com ele, pq mesmo sendo sua autora, sinto como se existissem coisas q ainda tenho a descobrir sobre ele e não vice-versa.. hehe.

    ResponderExcluir
  10. Bom, não acho que o Diego é tão interessante assim, mesmo levando por esse lado, eu sou uma pessoa que vê umas coisas com racionalidade, e outras vezes com sentimentos, não sei. Ainda acho que gosta tanto dele por ter o criado, a gente sempre gosta de nossos personagens, mesmo que eles sejam simples, sejam os malvados da história, ou até que sejam meio "figurantes", e aposto que você defenderia ele em qualquer circunstância. Claro, não dá pra ficar debatendo com a criadora sobre o personagem, porque, provavelmente você nunca mudaria de opinião sobre seu próprio personagem, apesar de que, se mudasse ao menos em pouco de opinião sobre os seus personagens eu aposto que sua história ficaria muito rica, porque com sua mudança de opinião o público também mudaria, seria uma coisa mágica. (aiai)
    A sua criação da história parece ser uma coisa muito particular, isso não é ruim, mas, acho que se acaso se deixasse enxergar outras coisas, poderia fazer a história mudar, como a vida, e surpreender muito seus leitores.
    A Sua história vai ter quantas edições? Bom, acho que você poderia alongar ela um pouco se você resolvesse fazer a história mudar de forma surpreendente, ou terminar ela logo pra começar novas histórias, eu realmente não consigo imaginar como seria outra história em que você trabalhasse, parece que você está totalmente centrada em Vidas Imperfeitas, sei lá. Mas, acho que os personagens seriam como os de Vidas Imperfeitas.
    E, me desculpe, deve ser chato meus comentários, porque eu simplesmente não fico apenas elogiando, não gosto muito de comentar em blogs simplesmente pra elogiar, acho inútil, acho que blogs são ambientes legais pra se discutir, sei lá.

    ResponderExcluir
  11. Eu estou centrada em Vidas Imperfeitas pq gosto de fazer e realmente não tenho tempo pra ooutras coisas... e acho q o maior erro das pessoas q leem minha história é achar q eu só faço isso, ou q minha visão seja limitada ao q os personagens acham, pensam ou falam... já tinha falado uma vez q não acreditava q o fanzine fosse algo genial, é apenas uma parte de mim q to tentando mostrar ao mundo... tenho várias outras historias e trabalhos, mas prefiro terminar esse antes de começar outros. Tbm não espero q os comentários sejam só elogios, entenda, eu já recebi MTAS criticas do meu fanzine, e se fosse pra desistir já teria feito há mto tempo... eu apenas gosto e acredito noq faço, caso contrário não estaria fazendo.
    O fanzine tem no total 6 volumes, e a historia está pronta junto com os roteiros, só falta desenhar. Espero q continue acompanhando a serie e dando sua opinião, pq é sempre bom ouvir oq os leitores tem a dizer!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...